Entre em contato: (11) 3816-0441

Saiba os critérios que possibilitam que o seu projeto seja considerado sustentável

Ouvimos muito sobre projetos e construções sustentáveis. Enquanto isso pode nos remeter facilmente ao meio ambiente, queremos ajudá-lo a entender o que realmente significa um edifício que se enquadra nessa categoria.

Assim, nos parágrafos abaixo, dividimos com você um pouco mais sobre essa grande tendência da arquitetura e centros urbanos. Trataremos então sobre materiais brutos e ecológicos utilizados para construção. Acompanhe!

O que torna projetos e construções sustentáveis?

Projetos que recebem esse tipo de identificação, normalmente, são aqueles em que a construção e os materiais utilizados empregam e incorporam uma série de estratégias que, em conjunto, o tornam mais eficiente em energia e qualidade de vida, sem excessivo consumo dos recursos naturais. Por isso, o uso de materiais sustentáveis ​​é muito importante na construção de edifícios. Mas este é apenas um aspecto do processo geral.

Esses materiais devem ser utilizados de tal forma que a manutenção e os custos sejam reduzidos. Assim, eles poderão ajudar na conservação de energia e melhorar a saúde e a produtividade dos ocupantes. Além disso, isso também pode resultar em uma maior flexibilidade de design.

O que um projeto deve ter para ser considerado sustentável?

Embora a definição de design de construção sustentável evolua ao longo do tempo, seis princípios fundamentais persistem:

1. Otimizar o potencial do local

A criação de construções sustentáveis ​​começa com a seleção adequada do local, incluindo a consideração da reutilização de prédios existentes. Isso porque a localização, orientação e paisagismo de um edifício afetam diretamente os ecossistemas locais, vias de transporte e o uso de energia.

2. Otimizar o uso de energia

Com a crescente demanda por recursos hídricos, preocupações com a independência e a segurança da energia e os impactos das mudanças climáticas globais tornando-se mais evidentes, é essencial encontrar maneiras de reduzir a carga energética, aumentar a eficiência e maximizar o uso de fontes renováveis.

Assim, alternativas locais de geração de energia, como aquecedores solares e painéis fotovoltaicos, agregam mais vantagem nesse critério. Outra solução consiste em explorar a luz natural, a ventilação cruzada e equipamentos mais eficientes.

3. Proteger e conservar a água

Apesar do Brasil ter uma das maiores concentrações de água potável do mundo, é de conhecimento geral que os recursos estão cada vez mais escassos. Dessa forma, para que projetos sejam considerados como sustentáveis, eles devem buscar recursos que minimizem o uso de água potável, reutilizando ou reciclando água para uso no local, quando factível.

4. Otimizar o espaço de construção e uso de materiais

Embora a população mundial continue a crescer (quase 10 bilhões em 2050), o consumo de recursos naturais continuará a aumentar e a demanda por bens e serviços adicionais continuará estressando os recursos disponíveis. Dessa forma, é fundamental alcançar um uso integrado e inteligente de materiais que maximizem seu valor, evite a poluição “a montante” e conserve recursos.

Um edifício sustentável deve ser projetado de forma a usar materiais que minimizam os impactos ambientais do ciclo de vida, como o aquecimento global, o esgotamento de recursos e a toxicidade. Os materiais ambientalmente preferíveis reduzem os impactos na saúde humana e no meio ambiente.

5. Melhorar a qualidade ambiental interior

A qualidade ambiental interna de um edifício tem um impacto significativo na saúde, conforto e produtividade dos ocupantes. Entre outros atributos, um edifício sustentável maximiza a iluminação do dia, tem ventilação e controle de umidade adequados, otimiza o desempenho acústico e evita o uso de materiais com emissões de COV (composto orgânico volátil) elevados.

6. Otimizar práticas operacionais e de manutenção

A consideração dos problemas operacionais e de manutenção de um edifício durante a fase de projeto preliminar de uma instalação contribuirá para melhorar os ambientes de trabalho, maior produtividade, redução de custos de energia e recursos, além da prevenção de falhas no sistema.

Arquitetos podem especificar materiais e sistemas que simplifiquem e reduzam os requisitos de manutenção; exijam menos água, energia e substâncias químicas/produtos de limpeza tóxicos; sejam rentáveis ​​e reduzem os custos do ciclo de vida.