Entre em contato: (11) 3816-0441
  Lista de cursos

Curso de Direito Autoral na Arquitetura e Engenharia


Início: 26/11/2016

Duração: dia 26 de Novembro de 2016
Código: AB-255

Vagas Esgotadas

Descrição
Você irá conhecer o estado da arte sobre o tema Direitos Autorais na Arquitetura e na Engenharia. Em linguagem acessível, aprenderá os fundamentos jurídicos dos direitos que os autores dos projetos têm sobre suas obras, bem como quais são suas principais características e o que é possível fazer quando eles são violados.  Conhecerá medidas preventivas que poderão ser muito importantes em eventual demanda judicial, bem como saberá a forma como o Poder Judiciário tem decidido sobre o tema.  Apenas se você conhecer quais são seus direitos autorais, conseguirá protegê-los da forma mais fácil, eficiente e econômica. Os conhecimentos que você adquirirá neste curso possibilitarão, mesmo sendo arquiteto ou engenheiro, que você discuta eventual caso real com seu advogado para, juntos, escolherem a melhor estratégia a ser utilizada. Caso você seja funcionário público (integrante de Comissão de Licitações, assessor jurídico ou com função de chefia administrativa),  aprenderá a redigir cláusulas em editais de licitação e contratos que beneficiem o órgão público e previna eventuais conflitos, além de saber conduzir adequadamente eventual alteração de projeto de prédio já construído. Caso seja advogado, conhecerá de forma sintética o que de mais importante há sobre os direitos autorais na arquitetura e engenharia, tanto em relação aos anseios das categorias, quanto em relação à forma como a jurisprudência tem se posicionado. Tudo isto, com a ímpar oportunidade de debater com o autor dos únicos livros brasileiros integralmente dedicados ao assunto.

Objetivo
Detalhadamente explicar a nuances dos direitos que nascem com a criação de projetos arquitetônicos e de engenharia, pois tais conhecimentos viabilizarão:

• que os autores protejam seus direitos da forma mais fácil, eficiente e econômica, bem como tenham atitudes preventivas que serão muito úteis em eventual disputa judicial motivada por violação à direito autoral;

• que assessores jurídicos, administradores públicos e advogados conheçam o que de mais importante há sobre os direitos autorais na arquitetura e engenharia, tanto em relação aos anseios das categorias, quanto em relação à forma como a jurisprudência tem se posicionado, de maneira a melhor elaborarem contratos, editais de licitação ou resolverem questões sobre o tema que lhes forem apresentadas.

Público-alvo
– Arquitetos
– Engenheiros
– Advogados
– Assessores jurídicos
– Integrantes de Comissões de Licitações
– Profissionais ligados às administrações publicas – Federais, Estaduais e Municipais;- Profissionais ligados ao segmento;
– Estudantes.

Conteúdo Programático

• Sorteio de um exemplar do livro “Arquitetura e Engenharia com Direitos Autorais”. 2ª ed. São Paulo: Pillares, 2013, 496 págs, de autoria do instrutor
• Divisão da Propriedade Intelectual e conceito de Direito Autoral
• Fundamentação legal dos direitos autorais na arquitetura e na engenharia
• Divisão dos direitos autorais – morais e patrimoniais
• Exemplos de direitos autorais relativos à Arquitetura e à Engenharia
• Registro de obras intelectuais de Arquitetura e de Engenharia
• Principais características dos direitos autorais morais
• Principais características dos direitos autorais patrimoniais
• Autoria múltipla: coautoria e obra coletiva
• Aquisição dos Direitos Autorais
• Transferência dos Direitos Autorais Patrimoniais
• Extinção dos Direitos Autorais
• Cláusulas para Contratos (públicos e privados) e Editais de Licitação
• Formas de violações aos direitos autorais de arquitetos e de engenheiros
• Fotografia de obras situadas em logradouros públicos: condições para o uso
• Condições para utilização de fotografias de obras arquitetônicas construídas
• Alterações de projetos sem o consentimento do autor
• Plágio na Arquitetura
• Direitos autorais de arquiteto ou engenheiro empregado
• Direito Autoral nos Códigos de Ética dos Arquitetos e dos Engenheiros
• Sanções às violações (Penal, Administrativo-Profissional e Cível)
• Quantum indenizatório
• Prescrição (Penal, Administrativo-Profissional e Cível)
• Leitura comentada da Resolução 67/2013 do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR)
• Leitura comentada de trechos da Resolução 75/2014 do CAU/BR

• Questões diversas:
– As obras situadas permanentemente em logradouros públicos podem ser reproduzidas ou representadas livremente?- Analise o seguinte caso: uma empresa estampa fotografia de uma edificação em latas de tintas que comercializa. Existem quesitos necessários para que o autor do projeto arquitetônico da obra não tenha nenhum direito violado? Quais? RESP 1.562.617, STJ, 2016.
– As obras arquitetônicas edificadas também são objeto de proteção pela Lei dos Direitos Autorais? Elas têm proteção por algum outro fundamento jurídico? Como é a jurisprudência sobre a questão? RESP 1.562.617, STJ, 2016.
– Estudante de arquitetura tem direito autoral sobre seus projetos?
– O art. 13 da Lei que criou o CAU torna obrigatório o registro dos projetos dos arquitetos que queiram comprovar a autoria dos mesmos para a proteção autoral?
– O CAU e/ou o CONFEA tem obrigação de realizar o registro de obra intelectual, conforme sua natureza, quando requerido por seu autor para a segurança de seus direitos?
– O CONFEA e/ou o CAU deve analisar o mérito nos pedidos de registro de direito autoral?
– Quais são os cinco quesitos que a Comissão de Exercício Profissional do respectivo CAU/UF precisa deliberar, para deferir, ou não, um pedido de registro, nos termos no art. 9º da Resolução 67 do CAU/BR?
– O arquiteto e/ou engenheiro pode exibir em seu portfólio imagens de todas as obras de sua autoria?
– O autor pode publicar seu projeto ou fotos da obra em revistas ou livros, sem a anuência do respectivo contratante ou proprietário?
– O proprietário da obra é obrigado a permitir que o autor fotografe a obra pelo direito moral concedido pelo art. 24, VII, da Lei 9.610/98?
– O arquiteto pode utilizar a mesma concepção em obras de contratantes diferentes?
– O plágio arquitetônico é reversível ou indenizável?
– Na compra e venda de um terreno, é automaticamente transmitido o direito de construir um imóvel conforme eventual projeto já aprovado para o local?
– Analise o seguinte caso: um cliente contrata e recebe um projeto arquitetônico de determinado autor; Tal cliente, mesmo inadimplente com o autor, “vende o projeto” para um terceiro, que o utiliza para construir uma edificação. O autor tem direito de cobrar honorário ou indenização daquele terceiro?
– O autor é obrigado a entregar os arquivos eletrônicos de seus projetos ao contratante?
– O autor é obrigado a entregar a memória de cálculo dos seus projetos?
– É legal a realização de licitação de anteprojeto para desenvolvimento do projeto executivo por outro profissional?
– O autor tem direito de impedir a execução da obra, caso ela não esteja de acordo com seu projeto?
– O proprietário de uma obra arquitetônica pode destruí-la a seu bel prazer?
– Há alguma providência a ser tomada, em relação aos direitos autorais dos projetistas, em caso de demolição de edificações antigas para a construção de novas?
– O que mudou nos Direitos Autorais dos arquitetos após a Lei que criou o Conselho de Arquitetura e Urbanismo e regulamentou o exercício desses profissionais?
– Quais os fundamentos jurídicos para a aplicação das multas previstas na Resolução 67/2013 do CAU/BR àqueles que não divulgarem o nome do(s) autor(es) quando da utilização do projeto em documentos, peças publicitárias, placas ou outro elemento de comunicação dirigido a cliente, ao público em geral e ao CAU?
– Quando uma obra arquitetônica cai em Domínio Público?
– É possível a obtenção de indenização por violação de direitos autorais mediante denúncia no CREA ou CAU?
– Em uma violação de direito autoral moral, a ação deve ser ajuizada em nome do autor pessoa física ou em nome da pessoa jurídica, caso com esta tenha sido realizada a contratação para elaboração da obra em questão?
– O autor do projeto tem a obrigação de (ou o direito de ser remunerado para) fiscalizar ou executar a obra cujo projeto é de sua autoria?
– Como fazer com que os arquitetos que trabalham em grandes escritórios possam ter seus nomes indicados nos projetos que participarem (ou puderem mencioná-los em seus portfólios futuros), sem prejudicar a sua relação trabalhista tampouco ferir eventuais direitos dos contratantes?

• Questões para reforço:
– Quais são os direitos dos autores de projetos de arquitetura e de engenharia?
– Violações como “contrafação” e “usurpação” fazem parte do universo da arquitetura?
– Quais formas de violações mais frequentes de trabalhos intelectuais de arquitetos e engenheiros?
– Constatada uma violação, quais são as sanções possíveis? Quais os prazos prescricionais? Caso o autor queira ser indenizado, como obter e calcular as devidas indenizações?
– Os juízes são obrigados a seguir as recomendações de indenizações mínimas, indicadas na Resolução 67/2013 do CAU/BR, em casos com violação a direito autoral de arquiteto e urbanista?
– Todo esboço, croqui ou projeto é protegido pelo Direito Autoral?
– A originalidade de um projeto é um requisito para sua proteção pela LDA?
– O registro das obras é condição para sua proteção?
– A ART ou o RRT é prova suficiente para garantir os direitos autorais, de maneira a dispensar o RDA ou Registro no Confea?
– Aquele que encomendou e pagou por um projeto poderá utilizá-lo como quiser?
– Aquele que “compra” um projeto pode fazer o que quiser com o mesmo? Pode repeti-lo? Pode alterá-lo? Pode pôr o nome de outra pessoa como autor?
– Quais são as condições necessárias para possibilitar a repetição de projetos por parte do contratante?
– Quais são os limites de utilização das obras protegidas?
– Há transmissão de algum direito autoral quando não há contrato escrito (ou este silencia em relação aos direitos autorais) relativo a projeto arquitetônico ou de engenharia entregue pelo autor a seu cliente?
– Há cessão automática dos direitos patrimoniais quando a contratante for a Administração Pública?
– Como se configura o plágio em projetos de arquitetura e de engenharia?
– Um arquiteto plagiador poderá ter seu registro profissional cancelado, mediante sanção ético-disciplinar do seu conselho profissional, que consiste em anulação, compulsória e permanente, do registro profissional do infrator, ficando impedido do exercício da atividade de Arquitetura e Urbanismo em todo o território nacional?
– O proprietário pode alterar a fachada de um prédio sem o consentimento do autor do projeto?
– A alteração de projeto arquitetônico ou de engenharia sem o consentimento do autor é uma violação aos direitos deste, passível de indenização?
– Se o dono da construção quiser executar a edificação com alterações no projeto arquitetônico originalmente aceito e contratar outro profissional para efetuar tais modificações (em fase anterior à conclusão das obras ou em reforma posterior), terá que indenizar o autor do projeto inicial (que, em consulta prévia não concordou com as mesmas e repudiou a paternidade da concepção da obra modificada), ainda que o dono não mais divulgue o projeto como sendo concebido pelo autor do projeto inicial?
– O art. 26 da Lei dos Direitos Autorais (Lei 9.610/98), ao possibilitar ao arquiteto o repúdio de sua obra criada, excluiu a possibilidade de indenização na hipótese de alteração não autorizada?
– O art. 18 da Lei 5.194/66 está revogado tacitamente?
– O art. 621 do CC/2002 (Código Civil) regulamenta direito autoral de arquitetos e engenheiros? Qual sua adequada interpretação?
– Existe algum limite que demarca o que é ou não uma violação? Pequenas alterações nas plantas são consideradas violações dos direitos autorais?
– Os projetos para as reformas e ampliações de obras públicas devem ser contratados mediante licitação pública ou os respectivos autores originais devem ser contratados pela Administração Pública por inexigibilidade de licitação?
– Há “Interesse coletivo” que justifique alterações de obras públicas mesmo sem a anuência do autor do projeto?
– A quem pertencem os direitos autorais quando o projeto for elaborado por solicitação do empregador do autor? Mesmo quando o autor for funcionário público e elaborar o projeto por determinação de sua chefia?
– É obrigatória a indicação da autoria do projeto arquitetônico em edificações?
– A omissão da autoria de um projeto ou a repetição de projeto sem a anuência do autor fere o Código de Ética Profissional adotado pelo sistema CREA-CONFEA ou pelo CAU/BR?
– Por que é bem mais fácil encontrar uma placa de inauguração, em obras prontas no Brasil, com o nome de político ou presidente da entidade, do que achar uma edificação já concluída, que tenha placa com a indicação da autoria do projeto arquitetônico?
– Arquitetos e fotógrafos, como cuidam de seus direitos autorais?
– Como os profissionais devem proteger as suas criações?

Palestrante
Leandro Vanderlei Nascimento Flôres
Graduado em Engenharia Civil pela UFSM (concluído em 1996); Graduado em Direito pela UniRitter (concluído em 2007); Contratado pelo CAU/BR como Assessor Especial para a elaboração da Resolução CAU/BR nº 67/2013 (Dispõe sobre os Direitos Autorais na Arquitetura e Urbanismo); Analista Pericial do MPF desde 1999, atualmente lotado na Procuradoria Regional da República da 4ª Região; Autor dos únicos livros brasileiros integralmente dedicados aos Direitos Autorais na Arquitetura e na Engenharia: “Direito Autoral na Engenharia e Arquitetura”. São Paulo: Pilares, 2010. 339 págs; “Arquitetura e Engenharia com Direitos Autorais”. São Paulo: Pilares, 2013. 496 págs; Titular do único website brasileiro integralmente dedicado aos Direitos Autorais na Arquitetura: http://www.arquiteturaedireitoautoral.com.br; Já ministrou diversas palestras sobre Direitos Autorais, entre elas em:  • 2010, em Brasília, DF, no Workshop sobre Direito Autoral vinculado ao trabalho intelectual do arquiteto, organizado pelo Ministério da Cultura e Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB); • 2010, em Porto Alegre, RS, no 2º Congresso Internacional de Arquitetura e Design (CAD); • 2013, em Brasília, DF, na 6ª Reunião Plenária Ampliada do CAU/BR

Data
26 de novembro de 2016
Sábado, das 9h às 13h

Carga Horária
12 horas

Local
YCON – Formação Continuada
Rua Fidalga, 27 – Vila Madalena
São Paulo – SP

Investimento
R$ 450 à vista
ou 2 x de R$ 231
ou 3 x de R$ 158
ou 4 x de R$ 121
ou 5 x de R$ 99
ou 6 x de R$ 85

Descontos Especiais
10% de desconto: Profissionais em grupo de duas pessoas.
20% de desconto: Estudantes de Graduação e Professores.

Os descontos acima não são cumulativos e aplicam-se
tanto ao preço à vista como às parcelas.

Consulte desconto para grupos de três ou mais pessoas.

Concedemos descontos para inscrição em mais de um curso.
Solicite um orçamento.

Incluso no valor da inscrição
1) Material didático completo;
2) Serviço de coffee-breaks;
3) Emissão de certificados.

Formas de Pagamento
1) Depósito Bancário;
2) Cartão de Crédito VISA, Mastercard ou Diners;
3) Cartão de Débito RedeShop, Visa Electron ou MasterCard Maestro;
4) Boleto Bancário*;
5 ) Cheque.

*A YCON emite boleto(s) bancário(s) somente para empresa, nas seguintes hipóteses: a) Para pagamento à vista de uma ou mais inscrições. b) Para pagamento a prazo de duas ou mais inscrições.

Procedimento de Inscrição
1) Clique no link em azul escrito “Inscreva-se”;
2) Preencha o formulário de pré-inscrição on-line;
3) Aguarde nosso e-mail de confirmação com as instruções de pagamento.


  Lista de cursos

Sugira um curso!

Não encontrou o curso que procurava? Envie sua sugestão!

Enviando...

Condições especiais para inscrições simultâneas.

Seja Ycon

Conheça as vantagens de estudar com a Ycon


Professores reconhecidos no meio acadêmico e profissional.

Amplo portfólio de cursos relacionados à construção civil.

Atuando no mercado da educação desde 1992.

Conteúdo das aulas com foco no mercado de trabalho.

Oportunidade de interação e networking.

Opção confiável para o aprimoramento profissional.